Nascida em Rio Largo (AL) em 1921, esta Mestra de Folguedos Populares provém de uma família de pais reconhecidos como mestres de pagode em sua cidade natal. Cresceu tendo orgulho de suas origens. Entretanto, seu pai não permitia que ela dançasse, devido as fortes raízes patriarcais que regam o conservadorismo nas cidades interioranas do estado. Mesmo assim, ela participava por estar envolta de um núcleo familiar onde a cultura popular estava imersa. Foi em uma roda de dança que conheceu aquele que viria a ser seu companheiro, Moisés Ferreira da Silva.

 

Seu marido a apoiou e a ajudou a organizar o grupo ‘’Baianas Vencedoras’’, começando a ensaiar no Centro Comunitário localizado no Bairro Santo Eduardo, em Maceió. Começaram a se apresentar em desfiles em datas comemorativas no ano de 1980. Hilda se tornou mestra do pagode ‘’Comigo ninguém pode’’, formado no Centro Comunitário Hélio Porto Lages, em 1975.

 

Ao longo dos seus 96 anos de vida, tornou-se uma importante figura do folclore alagoano, recebendo diversas premiações e resistindo ao sobreviver da arte popular, infelizmente tão negligenciada pelo Estado.

 

Salve a companheira!

 

 

Fonte:

SCHUMAHER, S. Gogó de Emas: a participação das mulheres na história do Estado do Alagoas. Rio de Janeiro : REDEH, 2004.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *